[ homepage ] [ b ] [ frufru / lit / an / escoria / wired ] [ mod ] [ overboard ] [ regras / faq / banlist / histórico ]

/b/ - Random

E-mail
Assunto
Comentar
Arquivo
Inserir
Options
Senha(Para excluir arquivos)
  • Files bigger than 250x200 pixels will be resized.
  • Allowed file types: jpg, jpeg, gif, png, webp, jfif, mp3, webm, mp4.
  • Maximum size per file: 7 MB with maximum dimension of 10000 x 10000.
  • You may upload 3 images/files per post
  • Valid embeds are: Youtube - Vimeo - Dailymotion - Soundcloud - Vocaroo - Bitchute - 

NÃO respondam aos homens. Revisem a Regra 1

  [Catálogo]   [Voltar]   [Arquivo]   [Featured]

File: 1640336764384.webm (4.99 MB, 288x426) ImgOps / Google / Yandex

77654 No.8817

Vocês já sofreram bullying de outras meninas na infância/adolescência?

987d8 No.8818

File: 1640342506475.jpeg (16.09 KB, 739x415) ImgOps / Google / Yandex

Sim. Estudei em escola pública, era zoada por ser magrela e pálida. Me chamavam de Olivia palito, palmito, vela branca, alma penada, e etc.
Na época eu ficava triste, isso me fez virar batata na escola.

3683f No.8821

>>8817
Coitada da menina da foto, deve ser horrível viver no meio de faveladas barraqueiras. Nunca sofri bullying desse jeito mas era bastante zoada pelos meus amigos por ser burra e "gorda".
demorei anos de tratamento e luta contra transtorno alimentar para entender que eu não era gorda, so não era ectormofo que nem todas as pessoas que eu me relacionava

76a75 No.8835

Já. Nunca fui de ter amigas, até por conta disto.

84a7a No.8840

Você pode me dar o contexto desse vídeo? Alguém sabe?

74dad No.8848

Costumava ser amiga de uma bully na escola, mas ela quem parecia decidir isso. Lembro de um dia que ela destruiu o banheiro da escola e disse que fui eu. Pelo menos a gerência não era acéfala, e entendeu do que se tratava, então não tomei a culpa. Alguns dias depois quebrei um dos dentes da frente dela brincando de queimado.

c6027 No.8852

Me apelidaram muito, mas nunca me importei, era sempre os mesmo apelidos: magrela, teta de nós todas, rata, roedora, Chiquinha (minha mãe fazia Maria Chiquinha em mim), etc.
Só apanhei uma vez, mas bati de volta.
Na realidade eu é quem fazia mais bullying, pois era deveras agressiva e sempre saia no tapa por coisas pequenas, na adolescência que passei a sofrer (com os apelidos, mas não ligava muito não).

987d8 No.8862

>>8852
Baseada anã yandere.

ea13f No.8864

Na adolescência ameaçada de tomar porrada na saída da escola, rasgaram minha mochila, jogaram barata no meu cabelo e até me morderam no meio da aula ( até hoje não entendi isso )

f28b6 No.8879

Sofri até de gente de outras séries, gente que eu nunca vi na vida. Isso me danificou ao extremo, por isso virei NEET.

36aa8 No.8882

File: 1640498732301.jpg (56.83 KB, 1280x720) ImgOps / Google / Yandex

Sim, e eu nunca entendi o porquê. Desde o prézinho um grupo de garotas decidiu que não gostava de mim. Lembro que nós tinhamos cinco ou seis anos e elas me chamaram pelo nome quando a professora saiu da sala pra me mandar um dedo do meio. Acho que era aquela coisa de criança que acha super descolado falar palavrão, mas eu nunca entendi por que me escolheram pra isso, nunca fiz nada pra elas.

Eu não tinha nenhum amigo, no recreio sentava no banquinho perto da sala, comia meu lanche e esperava acabar. Elas as vezes vinham me incomodar perguntando se eu era emo e coisas assim por causa do meu cabelo. Também roubavam meu dinheiro do lanche de vez em quando.

Por um tempo elas me esqueceram porque entrou na sala uma menina chamada Sabrina que era super esquisita e tinha cabelo cacheado (e naquela época, aqui onde eu moro no cu do sulito, isso era bem esquisito; só tinha branca de cabelo liso e olho claro então a Sabrina era muito diferente de todo mundo). Além de já ter aparência diferente a sabrina comia cola então meio que todo mundo zoava ela. A coitada sofreu um bullying mais pesado, jogavam as coisas dela no lixo.

Depois ela teve que se mudar de escola e aí eu voltei a ser a vítima preferida delas. Agora a gente tinha uns 9 anos. Eu nunca fui muito boa com esportes eu era uma batata, era aquela coisa de filme americano de ser escolhida por último e meu time ficar puto de ter que ficar comigo. Me zoavam muito, faziam eu cair de cara na quadra e jogavam a bola em mim de propósito. Coisas desse tipo.

Lembro de um dia que eu errei o dia da festa junina mas eu não tinha vestido porque era pobre então só fui mais arrumadinha com uma roupa bonita. Elas me zoaram o dia inteiro perguntando por que é que eu tava me achando bonita. Lembro exatamente do que a "líder" delas disse "Tais se achando, né?" com a maior cara de nojo. Eu realmente tava feliz porque minha mãe tinha arrumado meu cabelo mas sei lá, depois disso fui pro banheiro chorar.

Um dia específico que lembro muito bem foi quando me prenderam no banheiro do ginásio. Contexto: O ginásio era um lugar muito macabro que havia sofrido muito com um incêndio anos antes então ele era todo fodido. O banheiro era subterrâneo, debaixo das arquibancadas e, por Deus; parecia o set de um filme de terror aquela merda,. Espelhos todos riscados e ferrados, só uma das cabines tinha porta, os banheiros eram sempre imundos, o chão manchado de sei lá que porra e na última cabine do banheiro tinha simplesmente a porra de um buraco enorme que dava de se enfiar e ele levava pra algum lugar, eu não sei pra onde porque ninguém que eu saiba nunca tentou ir lá, todo mundo tinha medo.

>> cont

36aa8 No.8883

File: 1640498781338.jpg (94.16 KB, 1080x1080) ImgOps / Google / Yandex

Detalhe muito importante: o interruptor pra ligar as luzes naquela merda de banheiro ficavam no topo da escada. Era comum desligarem com gente lá dentro só pra zoar.

Eu era uma criança cagona pra caralho que acreditava em espíritos e tudo isso, minha avó dizia que eu tinha algum dom mediúnico então eu NUNCA entrava naquele banheiro pelo simples fato de que ele me dava um puta medo.

Mas um dia em particular as garotas que faziam bullying comigo estavam enchendo muito meu saco. Falando muita merda. Eu tinha feito uma amiga naquele ano e disseram que se eu não fosse conversar com elas no banheiro elas iam bater na minha amiga. Então lá fui eu trouxa pra caralho pro banheiro do diabo. Lá embaixo elas me falaram um pouco de merda que sinceramente eu não lembro de nada, só lembro que fiquei muito confusa do porquê estarem me xingando, me deram um soco no braço e mandaram eu olhar todas as cabines do banheiro. Quando eu cheguei na ultima cabine elas correram pra cima e apagaram a luz. Eu não consegui correr, eu sou esquizofrênica e vejo coisa desde criança (sim vó, mediunidade kekw) então o escuro pra mim era a pior coisa que podia acontecer, mais a aura horrível daquele banheiro. O resultado foi que eu não entrei em desespero e corri como elas imaginavam que aconteceria. Eu não conseguia me mexer ou nem fechar os olhos, acho que não conseguia nem respirar, só fiquei lá encarando o escuro esperando. Ouvi elas gritarem meu nome lá de cima da escada. A luz acendeu de novo depois de um tempinho, deve ter sido menos de um minuto mas pra mim pareceu durar um século. Elas e a professora desceram pra ver onde eu tava. Tava lá parada no mesmo lugar que elas me deixaram olhando pro nada.

Depois pelo menos elas começaram a pegar um pouco mais leve comigo e voltaram a só fazer zoação na sala de aula e me obrigar fazer os trabalhos de artes delas.

Até hoje não entendo por que elas faziam isso. Nunca fiz nada pra elas. Eu sei que eu era boba, muito inocente mesmo. Talvez isso desse raiva nelas, não sei. Enfim, isso me causou depressão e ansiedade além de ter a autoestima fodida porque eu lembro de ser uma gorda horrorosa desde sempre (e imaginava que vinha daí o bullying) mas vejo minhas fotos daquela época e eu era uma criança bem bonitinha então realmente não sei.

TLDR: Sim e hoje tenho depressão e baixa autoestima.

(Aí ademira o chansinho nao me deixou postar texto longo)

7d7b5 No.8910

File: 1640571378485.gif (686.49 KB, 500x281) ImgOps / Google / Yandex

Já, ameaçavam me bater na saída e eu só ficava "Então bate ué." Cresci num lugar cheio de favelada barraqueira igual do vídeo, mas quando começaram a implicar comigo (por causa de macho inclusive, kek) eu já estava tão morta por dentro por conta da minha depressão crônica que eu simplesmente não ligava se me ameaçassem de morte.
Já levei até tapa no meio da aula e só olhei pra cara da guria e perguntei se ela tava querendo me comer por acaso, se ia puxar o cabelo também e chamar de minha vadia. Ela ficou com vergonha de eu implicar que ela usava sapato grande alto o suficiente pra sala ouvir e começar a fazer o famoso "iiiiiiih!" e foi embora.

Antes disso nunca tinha sofrido bullying intenso porque antes de ser uma depressiva querendo se churrascar 24 horas por dia eu resolvia tudo na base do soco. Se me zoassem por qualquer motivo eu simplesmente agredia o macaco.

36aa8 No.8914

>>8910
Ta mas eu fiquei curiosa em como acaba essa história, queria chutar essas molequinhas. Será que a pardinha contou pra mãe dela?

c6027 No.8932

>>8883
Esquizofrenia na infância… Não sabia que era possível.
Relato da anã me fez lembrar da única vez que sofri bullying "pesado", foi na adolescência, porém estava dopada demais pra ligar (fazendo tratamento pra depressão/ansiedade).
Tava andando com uma turma que não era a minha (basicamente umas garotas "otaku" de classe social alta que eram muito amigas), eu estava andando com essa galera por conta de uma amiga minha que estava andando também (estávamos deslocadas, mas ela insistia em puxar o saco daquelas meninas). Até que comecei namorar um carinha que uma delas gostava, começaram a implicar, espalhar que eu era puta, vagabunda e os caralhos (tinham inveja também, eram tudo umas mocreias, uma delas o cabelo parecia palha, aquelas loiras sarará do nordeste). A minha "amiga" sabia disso, mas nunca contou, eu nem desconfiava, mesmo aparecendo vez ou outro um beta desesperado com conversinhas estranhas, isso sim me incomodava muito, assédio sexual pesado (após eu terminar o namoro, não aguentei o autismo do gordinho). Essa amiga se afastou também, já que percebeu que era ignorada e elas sempre faziam questão de dar um horário pra ela comparecer nos rolê, sendo que era outro (depois ficavam rindo, falando que ela que tinha sido lerda demais), eram uma meninas lamentáveis de gente ruim, mas achei bem feito com essa minha amiga.
O negócio piorou pra mim, quando um dos namorados dela começou a conversar muito comigo, eu nem desconfiava que os dois namoravam, e era na amizade que eu conversava com ele.
Viramos muito amigos, não via maldade, apesar de depois descobrir que tinha… Os boatos aumentaram e eu fiquei sabendo, mas apenas me afastei delas e mandei todo mundo pra casa do caralho (sim, parei de andar com a turminha e o povo dos eventos… Mas não parei de falar com o carinha, ele tinha vários problemas e não tinha nada haver com o bullying, apenas começou a gostar de mim). Devo deixar claro que eu não sabia do motivo da implicância, elas apenas implicavam na minha cabeça, depois descobri que era por conta de macho e inveja.

>Tô confuso… Mas foda-se

36aa8 No.8943

>>8932
>>Esquizofrenia na infância… Não sabia que era possível.

Eu não sei se era esquizo mesmo mas eu via coisas, sombras, vultos, ouvia sussurros, tinha muita paralisia do sono. Tudo me dava muito medo e conforme cresci aprendi a me fechar pra tudo isso. Na adolescência quando eu via um deles eu falava em voz alta "Vai embora caralho" e coisas do tipo, aí foi passando. Hoje em dia é raro de acontecer mas ainda acontece. Não falo mais nada, só ignoro mesmo. Vale ressaltar que naquela época eu era muito religiosa e hoje em dia sou cética, não sei se tem a ver. Ainda tenho um pouco de medo do escuro.

> Bullying por causa de macho


Patético da parte delas, simplesmente patético mesmo. Não tem nada mais lamentável que brigar por macho.

8e2e9 No.9061

>>8883
Senti, anã. Receba meu abraço virtual.

8e2e9 No.9062

File: 1640828535456.jpg (110.49 KB, 910x1024) ImgOps / Google / Yandex

Sim. Foi bem merda. Na infância morava no cu de uma cidadezinha então tinha pouca gente, mas sempre era zoada de gorda. Naquela época metia a porrada nos meninos sem dar uma foda, kek.
No fundamental mudei pra uma escola maior e ai ficou foda, eu sempre fui na minha e do nada uma menina de outra série começou a me ameaçar de porrada. Como minha mãe era professora eu tinha que me comportar. Enfim, foi muita humilhação, a menina me bateu e o escambau até que me pai foi na escola resolver a zorra toda.
A pior parte não foi a violência física e sim a psicológica, pois TODOS começaram a me zoar e não tinha nenhum amigo.
Depois fiquei sabendo que essa fulana era prima de uma amiga minha e essa amiga falava um monte de merda pra ela. No fim descobri que era por causa de macho pois era amiga de um feioso que essa menina mais velha gostava.
Hoje em dia tenho TEPT por causa do bullying e um estupro na infância. Mas aprendi a viver com isso depois de muita terapia, o ruim é que minha autoestima ainda é um lixo. Me sinto a pessoa mais feia do mundo, e quando olho minhas fotos de infância vi que era uma menina bem lindinha até. Enfim, pra todas as anãs que passaram por isso, eu digo apenas uma coisa: procure terapia.

36aa8 No.9070

File: 1640867106747.gif (3.18 MB, 498x443) ImgOps / Google / Yandex

>>9061
Obrigada, anãzinha. Sinta-se abraçada de volta.

36aa8 No.9071

File: 1640867739969.png (177.61 KB, 500x575) ImgOps / Google / Yandex

>>9062
>Me sinto a pessoa mais feia do mundo, e quando olho minhas fotos de infância vi que era uma menina bem lindinha até.

Fode não, isso é triste demais. Me sinto exatamente assim. Hoje em dia sou gorda e descuidada, me pergunto até que ponto isso tem raízes no que aconteceu lá atrás. Por que sempre nos achamos feias e sem jeito não nos importamos em cuidar de nada mesmo, já que já estava tudo estragado de qualquer forma". Que ódio dessas criancinhas desgraçadas que cometem bullying. Mataria todas.

Inclusive acabei de lembrar que depois de tudo que me fizeram sofrer eu fantasiava constantemente em ter uma arma e torturar todas as garotas do grupinho. Não matá-las, apenas atirar no joelho, machucar o rosto de forma que ficassem cheias de cicatrizes feias e fodidas e quem sabe matar uma delas pra que tivessem trauma pra sempre. Atirar nas pernas e obrigar a se rastejar pela sala. Pensava em matar a professora pra poder passar mais tempo torturando elas. Claro que eu não planejava nada direito afinal eu tinha 12 anos e no Brasil não há acesso a armas tão facilmente mas caralho isso me faz pensar em como eu era perturbada. Eu fantasiava constantemente com esse tipo de coisa. Hoje em dia eu acho que sou normal, fiz terapia. Pelo menos a parte mais fodida de querer me vingar já não existe mais.



[Catálogo] [Voltar][Post a Reply]

Deletar Mensagem [ ]
[ homepage ] [ b ] [ frufru / lit / an / escoria / wired ] [ mod ] [ overboard ] [ regras / faq / banlist / histórico ]